domingo, 8 de outubro de 2017

Brinde com Cauim - Cauinágem na Livraria Cultura

A primeira loja geek com elementos brasileiros – uma aposta arriscada

Luiz Pagano, orgulhoso de sua primeira loja geek de elementos Brasileiros - a inauguração foi celebrada com autentico Cauim de mandioca 
Como sabem, escrevo o Blog ‘Ame o Brasil’ já a algum tempo, devo assumir que vivo preso a uma doce maldição, a de amar o Brasil.

Para mim existem dois Brasis, O Brasil Utópico, que tem realidade e vida própria em minha mente, que parece com um Japão do futuro onde se toma o Cauim ao invés de saquê e se fala o Tupi ao invés de japonês, e o Brasil Distópico, o Brasil chato que vemos no Jornal Nacional, com muito crime e corrupção na administração publica e miséria vivida por grande parte de nossa gente.

Depois de anos escrevendo o Blog ‘Ame o Brasil’ e teorizando sobre o Brasil dos meus sonhos, tomei a decisão de fazer algo inédito e inovador, (até onde eu sei, eu fui o primeiro a fazê-lo) – resolvi trazer o Brasil de minha mente, ricamente estruturado, para o mundo real e criar uma Pop Up Store, só com coisas muito legais do Brasil – Dediquei toda minha paixão e meus escassos recursos próprios para esse projeto.
Orixás e Tribos brasileiras em toy art, expostos na primeira loja geek de elementos Brasileiros

Não se tratava de uma loja dessas que vende araras de gemas semipreciosas, e outras coisas estranhas para turistas, nem de esculturas de barro do nordeste (que eu curto muito, a propósito), más sim, uma loja que pudesse encantar a nova geração de Brasileiros - sabe o sentimento de entrar numa loja geek Japonesa, onde você vê uma moto muito legal do Kaneda do desenho Akira, em meio a diversos outros toys, de diversos mangás e animês atuias... é disso que estou falando. Eu tenho formação em Marketing, trabalho a anos na área comercial, precisava testar minhas idéias e teorias, precisava conversar com o cliente, saber o que ele pensava enquanto segurava um toy art da etnia Waurá em suas mãos.

Encontrei um espaço ideal nas imediações da Vila Madalena, próximo a praça Benedito Calixto. A inauguração foi feita com amigos e celebrada com o Cauim, elegante fermentado de mandioca produzido pelos alunos do professor Hildo Sena, da FATEC de Araçatuba. Na loja coloquei a venda pequenas capivaras coloridas do movimento que criei, ‘Capivara Parade’, alocadas num display móvel de capivara em tamanho grande, Orixás e tribos indígenas representados em 'toy art', comics de heróis da literatura brasileira, tudo feito em formato de comunicação Geek.

Foi uma audácia enorme tirar esse Brasil de minha mente, com recursos próprios, em época de tamanha crise de valores e identidade nacional, más o resultado... Eu vou dizer... FOI SURPREENDENTE! :

Posso descrever o processo de aceitação dessa loja pelo publico em 4 fases distintas, que ao meu ver, refletem muito bem como o brasileiro ama seu próprio país:

Fase 1- O CHOQUE - A princípio, as pessoas entendiam como se fosse uma piada, depois se dedicavam à projetar o amor que sentem pelo Brasil nas peças, alguns ainda com muita timidez e repleto de muitas cicatrizes, gostavam do que viam e diziam "que legal! Nunca imaginei ver esses elementos brasileiros de forma tão 'cool'!" Mas nos primeiros dias ninguém comprou nada;

Fase 2- BAIXA AUTO ESTIMA E COMPAIXÃO - Na segunda semana, percebi que os clientes que retornavam, se surpreendiam de eu insistir na 'bobeira brasileira', teve uns caras bem legais, que me davam conselhos "isso tudo é legal, mas porque vc não faz toy art com coisa q vende, tipo... integrantes ingleses de banda de rock"...  outros poucos compraram índios e capivaras sem falar nada e saíram rapidamente da loja;

Fase 3 - A RENDIÇÃO AOS VALORES BRASILIEROS MAIS INTIMOS - Nas semanas seguintes, o comportamento dos consumidores começou a ser mais positivo, as pessoas voltavam para tirar foto ao lado do móvel em forma de capivara, alguns perguntavam quando iria chegar a toy art de Oxum, outros deixavam seus filhos desenharem os indiozinhos numa prancheta que coloquei na loja para entreter as crianças;

4 - AS PESSOAS AMAM O BRASIL MAS TEM UMA BAITA VERGONHA DE ASSUMIR  - nos meus últimos dias, dizia aos clientes que o projeto estava no fim é que eu iria embora – foram os dias de melhores vendas, parece que o medo de não ter um toy art Indígena, ou de um Orixá bateu forte.

Lembro até de ter sido abordado por um senhor, que mais se aproximava de um ‘cliente habitue’ dessa Pop Up Store, que me disse “por favor, não feche a loja, precisamos que voce fique mais tempo aqui para inspirar mais gente  fazer o mesmo” um grupo de pessoas se juntou ao lado dele para me convencer a ficar, juro que fiquei emocionado... mas infelizmente, meus recursos haviam se esgotado, eu precisava de mais tempo e dinheiro para fazer a loja decolar.

Vitrine em forma de Capivara, nos moldes da 'Capivara Parade' que se abre para expor pequenas capivaras com intervenções de artistas

O Brasil Utópico e o Brasil Distópico

A loja não teve grande retorno financeiro, mas as lições aprendidas foram maravilhosas, a conclusão que tiro é que não sou só eu que vivo nesse ‘Brasil Dual’, todos nos brasileiros vivemos em dois Brasis, todos nós somos 'Policarpos Quaresmas' de coração.

Não tenho a pretensão de iniciar uma escola cuja o objetivo seja o de ensinar o brasileiro a amar o Brasil, o escritor brasileiro Lima Barreto já fez isso por mim, possivelmente ele também tinha uma Brasil Utópico em sua mente, também vivia o mesmo ‘Brasil Dual’ que eu vivo – deixa isso claro em seu livro ‘Os Bruzundangas’, no qual o fictício país da Bruzundanga representa o Brasil Distópico e o utópico, o próprio Brasil mesmo.

Certa vez, indagado sobre como enxerga o Brasil, Vinicius de Moraes deu uma resposta que reflete exatamente o que sinto “tenho uma grande fé no Brasil. Uma fé meio estúpida, meio instintiva, por causa do povo. Realmente, a minha fé no Brasil não vem das instituições, nada disso. Pelo contrário, acho que elas têm sido extremamente negativas para o país. Agora, eu acredito neste povo. E cada vez que eu volto ao Brasil, de alguma viagem ao exterior, essa crença aumenta, compreende. E como essa crença é um bem gratuito, eu prefiro tê-la a não tê-la”.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O Movimento Py'araku

Movimento Py'Aruku - plataforma Angatú
Uma das coisas que mais gosto quando interajo com Japoneses, é a forma que se admiram quando expostos a coisas novas, logo surge uma longa expressão surpresa na face, seguido por um também longo “Ehhh”.

Durante o período Heian no Japão (794 a 1185 d.C.), os chineses que visitavam o país, viviam criticando tudo por lá, diziam que eram um povo indígena, atrasado e incivilizado. As criticas constantes fizeram com que os Japoneses se apropriassem de diversos traços da cultura chinesa. Foi durante essa época que o termo ‘Mono no aware’ (物の哀れ) foi copiosamente usado num dos mais antigos trabalhos literários japoneses, o Genji monogatari, e os japoneses experimentaram o surgimento de uma nova cultura.

read this article in English

A frase ‘Mono no aware’ é derivada da palavra japonesa mono (物), "coisa", e aware (哀れ), uma expressão de surpresa comumente usada no período Heian, semelhante ao "ah" ou "oh", traduzindo a grosso modo como "pugência", "sentimento profundo", "sensibilidade", ou "consciência". Poderia ser traduzido como o ‘ahh' das coisas, a vida das coisas, o seu deus interior.

Essa incorporação surgiu em seus corações como um Deus organizador, de grande beleza, que cresceu no meio de suas melhores essências e até hoje, poucas culturas sabem tão bem se apropriar de benefícios de outras culturas, sem perder sua própria essência como os japoneses.
Benguela 12

É com esse intuito que eu apresento aqui o movimento Py'araku, mais do que uma filosofia de vida, é um manifesto cultural e artístico brasileiro, que surgiu das conjecturas de uma matéria publicada no blog em dezembro de 2012, com a pergunta “o que teria acontecido se a cultura dos indígenas brasileiros tivesse sobressaído à dos portugueses no Brasil".

Desde então, venho refletindo diariamente no que fazer para que os bons elementos cultura indígena brasileira, bem como a cultura negra e portuguesa, com potencial de melhora, e como estes poderiam ser submetidos ao frame da cultura japonesa (ambas de ancestrais indígenas comuns) o Cauim, tal como o saquê - a bebida surge como o grande catalisador - o Cauim é sem duvida a mola propulsora desse movimento. O Cauim tem tantas similaridades com o saquê que vão muito além da coincidência,  haja visto a travessia de povos antigos pelo estréio de Bering - a bebida alcoólica ao meu ver, é junto com a gastronomia, o principal veículo de manifestação cultural de um povo.

Se quisermos um Brasil melhor, devemos sim nos concentrar nossos esforços em modificar pontos negativos, que são muitos, mas principalmente  dar ênfase nos pontos positivos, que também são muitos. O Blog ‘Ame o Brasil’, trabalha ativamente a plataforma de ativações denominada Angatú (literalmente, de alma boa, com bem estar, com felicidade), que tem como propósito despertar o amor ao Brasil e ao brasileiro, valorizando e incentivando os bons estímulos, de maneira a fazer-nos crescer e superar os maus estímulos, até sua virtual extinção.

Se quisermos que funcione, é preciso termos consciência de longo prazo e é fundamental que tenhamos uma postura ‘pro’ algo, nunca ‘contra’ - uma vez perguntada por que não participava de manifestações anti-guerra, Madre Teresa de Calcutá disse que nunca faria isso, ela somente entraria em um movimento pró-paz, é uma posição de lógica inquestionável - enquanto o movimento ‘anti-alguma coisa’ se caracteriza pela resistência a forças naturais, uma estratégia passiva que depende de empenho em proteção, que por melhor que sejam, sempre oferecem o risco de serem derrotadas, o movimento ‘pro-uma causa boa’, por sua vez, é uma estratégia proativa com intuito de promover uma boa idéia, ampliando o potencial de sucesso a níveis estatisticamente muito maiores.
Moçmbique 25

Desde que iniciei esse blog, trabalhei em ativações de limitados alcances, mas de grandes intenções. Com ‘Projeto Tembi-u’, realizado em abril de 2015, fomos pioneiros em levarmos ingredientes da Amazônia para que premiados barmans brasileiros criassem drinks, explorando o vasto universo de inusitados ingredientes Brasileiros por excelência em detrimento da valorização excessiva da coquetelaria Americana/Européia. Em maio de 2016, promovemos o primeiro ‘Capivara Parade’, nos moldes da Cow Parade de Pascal Knapp, em parceria com o Shopping Paladium, com o propósito de usar a capivara como um embaixador da natureza em ambiente urbano, para angariar recursos para a campanha do agasalho de Curitiba, e o lançamento da HQ os Heróis da Buzundanga, trazendo a cultura Tupi-Pop em sua essência – o caminho lógico desses trabalhos em série nos leva ao lançamento do Movimento Py’araku para o ano de 2017.

Py’araku tem o propósito de fazer crescer no coração de cada individuo que ama o Brasil, seja ele nativo ou estrangeiro, um entusiasmado agente de transformação, multiplicador de boas praticas, que o capacita a ser um embaixador de um Brasil melhor. A palavra do tupi antigo, tem significado parecido com o ‘Mono no aware’ do revolucionário período Heian no Japão.  Em tupi, apalavra Py’araku (Py, amplo + Araku, entusiasmo), significa literalmente, fazer crescer nosso Deus interior, de alma quente, de coração aquecido - palavra essa que traz para nossos corações e mentes a força divina, que tem o poder engrandecer nossa nação através do amor. Mesmo a palavra da língua portuguesa ‘entusiasmo’, que vem do grego, ἐνθουσιασμός (onde ἐν - interior e θεός – Deus e οὐσία –possuído), traz em sua essência o poder de promover a possessão pelo divino, "possuído pela (essência de) um Deus.

Tenho mais de 20 anos de experiência com a introdução de novos produtos no mercado, sou especialista em ‘aculturação’, um complexo processo desenhado para incorporar um determinado produto a uma cultura, no qual o produto é estudado em profundidade, com seus hábitos de consumo e então, ensinados à essa nova cultura, a ponto de atingir total incorporação fora de seu local de origem, a ponto de integrar-se plenamente a cultura local;
Cunhanbebe 10

“Para se ter o Brasil ideal, a ‘aculturação’ deve andar par e passo com nossos esforços pela ‘enculturação’, processo de auto-conhecimento, no qual entendemos quais são as nossas próprias boas praticas, as estudamos à exaustão e ai então, incentivos para que se tornem pratica comum em nossa sociedade.

Se podemos fazer isso com vinhos, alimentos e equipamentos estrangeiros no Brasil, por que não fazer o mesmo com atitudes nativas prosperas, trazendo as melhores praticas de condutas sociais para mudarmos nosso Brasil”.