domingo, 8 de outubro de 2017

Brinde com Cauim - Cauinágem na Livraria Cultura

A primeira loja geek com elementos brasileiros – uma aposta arriscada

Luiz Pagano, orgulhoso de sua primeira loja geek de elementos Brasileiros - a inauguração foi celebrada com autentico Cauim de mandioca 
Como sabem, escrevo o Blog ‘Ame o Brasil’ já a algum tempo, devo assumir que vivo preso a uma doce maldição, a de amar o Brasil.

Para mim existem dois Brasis, O Brasil Utópico, que tem realidade e vida própria em minha mente, que parece com um Japão do futuro onde se toma o Cauim ao invés de saquê e se fala o Tupi ao invés de japonês, e o Brasil Distópico, o Brasil chato que vemos no Jornal Nacional, com muito crime e corrupção na administração publica e miséria vivida por grande parte de nossa gente.

Depois de anos escrevendo o Blog ‘Ame o Brasil’ e teorizando sobre o Brasil dos meus sonhos, tomei a decisão de fazer algo inédito e inovador, (até onde eu sei, eu fui o primeiro a fazê-lo) – resolvi trazer o Brasil de minha mente, ricamente estruturado, para o mundo real e criar uma Pop Up Store, só com coisas muito legais do Brasil – Dediquei toda minha paixão e meus escassos recursos próprios para esse projeto.
Orixás e Tribos brasileiras em toy art, expostos na primeira loja geek de elementos Brasileiros

Não se tratava de uma loja dessas que vende araras de gemas semipreciosas, e outras coisas estranhas para turistas, nem de esculturas de barro do nordeste (que eu curto muito, a propósito), más sim, uma loja que pudesse encantar a nova geração de Brasileiros - sabe o sentimento de entrar numa loja geek Japonesa, onde você vê uma moto muito legal do Kaneda do desenho Akira, em meio a diversos outros toys, de diversos mangás e animês atuias... é disso que estou falando. Eu tenho formação em Marketing, trabalho a anos na área comercial, precisava testar minhas idéias e teorias, precisava conversar com o cliente, saber o que ele pensava enquanto segurava um toy art da etnia Waurá em suas mãos.

Encontrei um espaço ideal nas imediações da Vila Madalena, próximo a praça Benedito Calixto. A inauguração foi feita com amigos e celebrada com o Cauim, elegante fermentado de mandioca produzido pelos alunos do professor Hildo Sena, da FATEC de Araçatuba. Na loja coloquei a venda pequenas capivaras coloridas do movimento que criei, ‘Capivara Parade’, alocadas num display móvel de capivara em tamanho grande, Orixás e tribos indígenas representados em 'toy art', comics de heróis da literatura brasileira, tudo feito em formato de comunicação Geek.

Foi uma audácia enorme tirar esse Brasil de minha mente, com recursos próprios, em época de tamanha crise de valores e identidade nacional, más o resultado... Eu vou dizer... FOI SURPREENDENTE! :

Posso descrever o processo de aceitação dessa loja pelo publico em 4 fases distintas, que ao meu ver, refletem muito bem como o brasileiro ama seu próprio país:

Fase 1- O CHOQUE - A princípio, as pessoas entendiam como se fosse uma piada, depois se dedicavam à projetar o amor que sentem pelo Brasil nas peças, alguns ainda com muita timidez e repleto de muitas cicatrizes, gostavam do que viam e diziam "que legal! Nunca imaginei ver esses elementos brasileiros de forma tão 'cool'!" Mas nos primeiros dias ninguém comprou nada;

Fase 2- BAIXA AUTO ESTIMA E COMPAIXÃO - Na segunda semana, percebi que os clientes que retornavam, se surpreendiam de eu insistir na 'bobeira brasileira', teve uns caras bem legais, que me davam conselhos "isso tudo é legal, mas porque vc não faz toy art com coisa q vende, tipo... integrantes ingleses de banda de rock"...  outros poucos compraram índios e capivaras sem falar nada e saíram rapidamente da loja;

Fase 3 - A RENDIÇÃO AOS VALORES BRASILIEROS MAIS INTIMOS - Nas semanas seguintes, o comportamento dos consumidores começou a ser mais positivo, as pessoas voltavam para tirar foto ao lado do móvel em forma de capivara, alguns perguntavam quando iria chegar a toy art de Oxum, outros deixavam seus filhos desenharem os indiozinhos numa prancheta que coloquei na loja para entreter as crianças;

4 - AS PESSOAS AMAM O BRASIL MAS TEM UMA BAITA VERGONHA DE ASSUMIR  - nos meus últimos dias, dizia aos clientes que o projeto estava no fim é que eu iria embora – foram os dias de melhores vendas, parece que o medo de não ter um toy art Indígena, ou de um Orixá bateu forte.

Lembro até de ter sido abordado por um senhor, que mais se aproximava de um ‘cliente habitue’ dessa Pop Up Store, que me disse “por favor, não feche a loja, precisamos que voce fique mais tempo aqui para inspirar mais gente  fazer o mesmo” um grupo de pessoas se juntou ao lado dele para me convencer a ficar, juro que fiquei emocionado... mas infelizmente, meus recursos haviam se esgotado, eu precisava de mais tempo e dinheiro para fazer a loja decolar.

Vitrine em forma de Capivara, nos moldes da 'Capivara Parade' que se abre para expor pequenas capivaras com intervenções de artistas

O Brasil Utópico e o Brasil Distópico

A loja não teve grande retorno financeiro, mas as lições aprendidas foram maravilhosas, a conclusão que tiro é que não sou só eu que vivo nesse ‘Brasil Dual’, todos nos brasileiros vivemos em dois Brasis, todos nós somos 'Policarpos Quaresmas' de coração.

Não tenho a pretensão de iniciar uma escola cuja o objetivo seja o de ensinar o brasileiro a amar o Brasil, o escritor brasileiro Lima Barreto já fez isso por mim, possivelmente ele também tinha uma Brasil Utópico em sua mente, também vivia o mesmo ‘Brasil Dual’ que eu vivo – deixa isso claro em seu livro ‘Os Bruzundangas’, no qual o fictício país da Bruzundanga representa o Brasil Distópico e o utópico, o próprio Brasil mesmo.

Certa vez, indagado sobre como enxerga o Brasil, Vinicius de Moraes deu uma resposta que reflete exatamente o que sinto “tenho uma grande fé no Brasil. Uma fé meio estúpida, meio instintiva, por causa do povo. Realmente, a minha fé no Brasil não vem das instituições, nada disso. Pelo contrário, acho que elas têm sido extremamente negativas para o país. Agora, eu acredito neste povo. E cada vez que eu volto ao Brasil, de alguma viagem ao exterior, essa crença aumenta, compreende. E como essa crença é um bem gratuito, eu prefiro tê-la a não tê-la”.

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O Movimento Py'araku

Movimento Py'Aruku - plataforma Angatú
Uma das coisas que mais gosto quando interajo com Japoneses, é a forma que se admiram quando expostos a coisas novas, logo surge uma longa expressão surpresa na face, seguido por um também longo “Ehhh”.

Durante o período Heian no Japão (794 a 1185 d.C.), os chineses que visitavam o país, viviam criticando tudo por lá, diziam que eram um povo indígena, atrasado e incivilizado. As criticas constantes fizeram com que os Japoneses se apropriassem de diversos traços da cultura chinesa. Foi durante essa época que o termo ‘Mono no aware’ (物の哀れ) foi copiosamente usado num dos mais antigos trabalhos literários japoneses, o Genji monogatari, e os japoneses experimentaram o surgimento de uma nova cultura.

read this article in English

A frase ‘Mono no aware’ é derivada da palavra japonesa mono (物), "coisa", e aware (哀れ), uma expressão de surpresa comumente usada no período Heian, semelhante ao "ah" ou "oh", traduzindo a grosso modo como "pugência", "sentimento profundo", "sensibilidade", ou "consciência". Poderia ser traduzido como o ‘ahh' das coisas, a vida das coisas, o seu deus interior.

Essa incorporação surgiu em seus corações como um Deus organizador, de grande beleza, que cresceu no meio de suas melhores essências e até hoje, poucas culturas sabem tão bem se apropriar de benefícios de outras culturas, sem perder sua própria essência como os japoneses.
Benguela 12

É com esse intuito que eu apresento aqui o movimento Py'araku, mais do que uma filosofia de vida, é um manifesto cultural e artístico brasileiro, que surgiu das conjecturas de uma matéria publicada no blog em dezembro de 2012, com a pergunta “o que teria acontecido se a cultura dos indígenas brasileiros tivesse sobressaído à dos portugueses no Brasil".

Desde então, venho refletindo diariamente no que fazer para que os bons elementos cultura indígena brasileira, bem como a cultura negra e portuguesa, com potencial de melhora, e como estes poderiam ser submetidos ao frame da cultura japonesa (ambas de ancestrais indígenas comuns) o Cauim, tal como o saquê - a bebida surge como o grande catalisador - o Cauim é sem duvida a mola propulsora desse movimento. O Cauim tem tantas similaridades com o saquê que vão muito além da coincidência,  haja visto a travessia de povos antigos pelo estréio de Bering - a bebida alcoólica ao meu ver, é junto com a gastronomia, o principal veículo de manifestação cultural de um povo.

Se quisermos um Brasil melhor, devemos sim nos concentrar nossos esforços em modificar pontos negativos, que são muitos, mas principalmente  dar ênfase nos pontos positivos, que também são muitos. O Blog ‘Ame o Brasil’, trabalha ativamente a plataforma de ativações denominada Angatú (literalmente, de alma boa, com bem estar, com felicidade), que tem como propósito despertar o amor ao Brasil e ao brasileiro, valorizando e incentivando os bons estímulos, de maneira a fazer-nos crescer e superar os maus estímulos, até sua virtual extinção.

Se quisermos que funcione, é preciso termos consciência de longo prazo e é fundamental que tenhamos uma postura ‘pro’ algo, nunca ‘contra’ - uma vez perguntada por que não participava de manifestações anti-guerra, Madre Teresa de Calcutá disse que nunca faria isso, ela somente entraria em um movimento pró-paz, é uma posição de lógica inquestionável - enquanto o movimento ‘anti-alguma coisa’ se caracteriza pela resistência a forças naturais, uma estratégia passiva que depende de empenho em proteção, que por melhor que sejam, sempre oferecem o risco de serem derrotadas, o movimento ‘pro-uma causa boa’, por sua vez, é uma estratégia proativa com intuito de promover uma boa idéia, ampliando o potencial de sucesso a níveis estatisticamente muito maiores.
Moçmbique 25

Desde que iniciei esse blog, trabalhei em ativações de limitados alcances, mas de grandes intenções. Com ‘Projeto Tembi-u’, realizado em abril de 2015, fomos pioneiros em levarmos ingredientes da Amazônia para que premiados barmans brasileiros criassem drinks, explorando o vasto universo de inusitados ingredientes Brasileiros por excelência em detrimento da valorização excessiva da coquetelaria Americana/Européia. Em maio de 2016, promovemos o primeiro ‘Capivara Parade’, nos moldes da Cow Parade de Pascal Knapp, em parceria com o Shopping Paladium, com o propósito de usar a capivara como um embaixador da natureza em ambiente urbano, para angariar recursos para a campanha do agasalho de Curitiba, e o lançamento da HQ os Heróis da Buzundanga, trazendo a cultura Tupi-Pop em sua essência – o caminho lógico desses trabalhos em série nos leva ao lançamento do Movimento Py’araku para o ano de 2017.

Py’araku tem o propósito de fazer crescer no coração de cada individuo que ama o Brasil, seja ele nativo ou estrangeiro, um entusiasmado agente de transformação, multiplicador de boas praticas, que o capacita a ser um embaixador de um Brasil melhor. A palavra do tupi antigo, tem significado parecido com o ‘Mono no aware’ do revolucionário período Heian no Japão.  Em tupi, apalavra Py’araku (Py, amplo + Araku, entusiasmo), significa literalmente, fazer crescer nosso Deus interior, de alma quente, de coração aquecido - palavra essa que traz para nossos corações e mentes a força divina, que tem o poder engrandecer nossa nação através do amor. Mesmo a palavra da língua portuguesa ‘entusiasmo’, que vem do grego, ἐνθουσιασμός (onde ἐν - interior e θεός – Deus e οὐσία –possuído), traz em sua essência o poder de promover a possessão pelo divino, "possuído pela (essência de) um Deus.

Tenho mais de 20 anos de experiência com a introdução de novos produtos no mercado, sou especialista em ‘aculturação’, um complexo processo desenhado para incorporar um determinado produto a uma cultura, no qual o produto é estudado em profundidade, com seus hábitos de consumo e então, ensinados à essa nova cultura, a ponto de atingir total incorporação fora de seu local de origem, a ponto de integrar-se plenamente a cultura local;
Cunhanbebe 10

“Para se ter o Brasil ideal, a ‘aculturação’ deve andar par e passo com nossos esforços pela ‘enculturação’, processo de auto-conhecimento, no qual entendemos quais são as nossas próprias boas praticas, as estudamos à exaustão e ai então, incentivos para que se tornem pratica comum em nossa sociedade.

Se podemos fazer isso com vinhos, alimentos e equipamentos estrangeiros no Brasil, por que não fazer o mesmo com atitudes nativas prosperas, trazendo as melhores praticas de condutas sociais para mudarmos nosso Brasil”.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Os Heróis da Bruzundanga a primeira HQ Tupi Pop

Luiz Pagano no lançamento da revista 'Os Heróis da Bruzundanga', no ultimo dia 17 de dezembro, na livraria Monkix da Vila Madalena
A cultura Tupi-Pop sai do campo virtual e passa a ser prototipada nesta primeira edição da História em Quadrinhos 'Os Heróis da Bruzundanga', na qual heróis brasileiros, baseados nas obras de Lima Barreto combatem o crime na turbulenta terra da Bruzundanga. A trama se passa no ano de 2093, numa linha do tempo alternava na qual Policarpo Quaresma não morreu e o presidente Floriano Peixoto adotou as reformas por ele apresentadas duzentos anos atrás, o Brasil é uma terra de muita prosperidade cuja cultura é cultuada no mundo todo.

read this article in English

O lançamento da HQ ocorreu no ultimo dia 17 de dezembro, na livraria Monkix da Vila Madalena.

Não foi a toa que as obras de Lima Barreto servem de pano de fundo aos Heróis da Bruzundanga, a genialidade de Barreto é atemporal em mostrar o amor pelas coisas do Brasil, com seu bom povo de coração humilde e atitude pacifica, que mal se vê capaz de empenhar sua força no conflito contra impunes vilões, de caráter retorcido, presentes em nossa vida cotidiana.
Tarde de autografos na livraria Monkix. a direita, Hot Toys articulados do cangaceiro Assum Preto, a india Mani e descendente de Policarpo, o Visconde Quaresma.

 Os Heróis da Bruzundanga surgem no já extenso panteão de deidades do mundo comics, trazendo a inusitada e quase impossível tarefa de resgatar a dignidade de sua gente. Tal qual no livro Os Bruzundangas de 1923, Lima Barreto pinta o Brasil como o país perfeito, de economia invejável e infra estrutura copiada pelas principais nações do mundo, muito diferente da sofrida Bruzundanga, com suas graves mazelas - este sim claramente baseado no Brasil real.

 Ocasionalmente vemos romances nacionais transformados em HQs, mas é muito raro vermos uma HQ que tome como base para criação de seus heróis, historias da literatura e da tradição oral dos mais de 300 povos brasileiros, traduzidos em situações de perder o fôlego, por este incansável estudioso dos temas brasileiros. Pagano narra com estilo próprio a saga de heróis improváveis e charmosos, vilões poderosos e misteriosos, vivamente mal-intencionados e de poderes praticante insuperáveis. O traço acadêmico, que Pagano domina com maestria, aparece aqui na forma de traços de mão solta, simples e trêmulos, como mero expediente refinado de um grande contador de historias.

Alem da Monkix, a obra ainda pode ser encontrada nas livrarias geeks da cidade de São Paulo, bem como na loja virtual PopUp Draw

Divirta-se

quinta-feira, 4 de agosto de 2016

Angá Avá - Os espíritos da Floresta

Capa do primeiro episodio de Angá Ava, as aventuras de Haans Staden em meio aos mais de 200 espíritos das etnias brasileiras 

Curioso como qualquer Otaku conhece de cór os mais de 500 pokemons e suas evoluções, mas quase ninguém consegue citar ao menos 10 etnias indígenas Brasileiras. Trata-se de quase um milhão de pessoas, divididas aproximadamente 305 grupos étnicos, falando 274 idiomas diferentes, com sua própria concepção de mundo, religião, conhecimentos únicos de botânica, ecologia e sustentabilidade.

Conheça os mais de 240 povos indígenas Brasileiros

Tal como constatei na postagem http://indigenasbrasileiros.blogspot.com.br/2016/01/indios-brasileiros-em-toy-art-grupos.html  seria muito fácil gerar interesse nas culturas indígenas em nossos jovens, se colocássemos essas etnias com suas historias e lendas no formato de formato de manga e animes, tal qual os Pokemons.

Nesse sentido, nos resolvemos apresentar nossa versão, num manga chamado Angá Avá, palavras em Guarani para designar os espíritos da floresta de Pindorama.

Sinopse

Enquanto caminhava na floresta, o desenhista explorador Haans Staden buscava ilustrar cada detalhe de tudo que via em suas viagens pelo Brasil, até que certo dia encontrou um muiraquitã dentro de um poço, decidido a pegar a linda peça, Hanns cuidadosamente desce e percebe que o poço é muito mais fundo do que houvera percebido. Quando estava quase alcançando o muiraquitã, Hanns cai e fica inconsciente.
Ao perceber que Haans está exausto, um Tëpë Ashaninka oferece Piyarentsi (bebida ritual Ashaninka), com intuito de repor suas forças espirituais para assim, poder terminar sua jornada

Ao recobrar os sentidos, Haans se vê cercado de pequenos indiozinhos Xavantes, que chamam a eles mesmos de Angá Avás (espíritos da floresta), o pequeno indiozinho diz a Haans que ele acabara de chegar a um plano dimensional chamado de UHIRI, e que nesse plano uma batalha estava em curso entre os Napës e os Tëpës.

Revoltados com a ignorância dos homens das cidades, os Napë (palavra em idioma Ianomâmi para homens urbanos) indígenas de mais de duzentas nações do Brasil, os Tëpë (também em linguagem Ianomâmi, significa seres vivos, termo usado para se auto denominarem) pediram ao Grande Tupã que os impedisse de destruir a floresta. Sabendo que o progresso é inevitável o sábio Tupã decidiu que todas as questões fossem resolvidas uma a uma,  em arenas de disputa no plano UHIRI (plano florestal superior, também em ianomâmi ), sabendo que a cada vitoria ou perda nesse mundo, geraria conseqüências no mundo real, no qual Haans habitava.
 
Hanns chega a cidade de Salvador acompanhado de um Tëpë Xavante, palco de uma grande batalha.
Nessas disputas, os Tëpë só podem utilizar como armas os diversos espíritos da floresta, divididos em grupos pertencentes a seus elementos naturais, o fogo, o ar, a água e a terra, enquanto que os Napë podem utilizar as ferramentas existentes no mundo real.

É então que Haans, percebe que seu material de desenho adquire poderes especiais e decide tomar partido, ajudando os Tëpë...
 
O temível Dr. Grille chega em seu Serra-Móvel auxiliado por Yuyura Kakuaavai (arvore malcriada em Guaraní)  um trapaceiro Angá Avá rebelde e vingativo 

Se você quiser saber mais sobre as aventuras de Haans, aguarde os próximos episódios de Angá Avá – Espíritos da Floresta.

sexta-feira, 4 de março de 2016

A comunidade japonesa é conclusiva em favor de Santos=Dumont x os irmãos Wright, na disputa ‘quem deu asas à humanidade’


Luiz Pagano representante do INSTITUTO ALBERTO SANTOS=DUMONT em Tóquio no Japão com o propósito de entregar o MERITO HOMEM VOA a Masako Hori do departamento editorial e brand communication da AGORA Magazine e Yasuyuki Ukita, escritor e Jornalista, grande conhecedor de Santos=Dumont, Ukita é descendente de Kokichi Ukita (浮田幸吉  1757 - 1847) grande pioneiro da aviação japonesa

No ultimo dia 29 de abril, Luiz Pagano viajou para o Japão, representando o Instituto Alberto Santos=Dumont, em nome de Ricardo Magalhães para a entrega do ‘Mérito Homem Voa’ à equipe da revista Agora, pela excelente matéria mencionada nesse artigo.

Os diplomas foram entregues a Masako Hori do departamento editorial e brand communication da AGORA Magazine e Yasuyuki Ukita, escritor e Jornalista, grande conhecedor de Santos=Dumont e dos pioneiros da navegação aérea, ele mesmo descendente de Kokichi Ukita (浮田幸吉 de 1757 - 1847) grande pioneiro da aviação japonesa, que praticava vôo com asas concebidas e construídas por ele mesmo.

O ‘Merito Homem Voa’, foi instituído pelo Instituto Alberto Santos=Dumont, instituído pelo seu VP, Ricardo Magalhães e tem o propósito de reconhecer as pessoas que se dispõem a se envolverem em atividades que celebrem a memória de Santos=Dumont, bem como a seus ideais.

Para compreender tal homenagem, precisamos voltar no tempo, quando Santos=Dumont ainda era um garoto. Seus amigos sentavam-se em uma mesa e saiam perguntando, em voz alta: “Pombo voa?” “Galinha voa?” “Urubu voa?” “Abelha voa?” E assim sucessivamente.

A cada chamada todos deviam levantar o dedo e responder. Acontecia porém que, de quando em quando, gritavam: “Cachorro voa?”, “Raposa voa?” ou algum disparate semelhante, a fim de surpreender os coleguinhas e alguém respondia errado. Uma vez que o desatento levantasse o dedo, tinha de pagar uma prenda.

Quando Santos=Dumont ouvia a pergunta  “Homem voa?” Muitos anos antes de seus feitos, ele respondia “Voa!”, com entonação de certeza absoluta, e se recusava obstinadamente a pagar a prenda.

Foi por conta dessa brincadeira ingênua, paradoxal e de grande cunho profético de Santos=Dumont que o instituto Santos=Dumont criou o mérito HOMEM VOA, pois Santos=Dumont era de fato um ser ALADO, que sonhava com o voo individual, tal como fez o personagem mitológico Ícaro. Muito certamente, Santos=Dumont resolveu o problema do voo humano abordando todas as formas conhecidas pela ciência, desde o mais-leve-que-o-ar por meio de balões e dirigíveis, e em seguida o mais-pesado-que-o-ar, com biplanos e monoplanos, chegou até mesmo a idealizar o voo ornitóptero, engenho esse que mesmo após cem anos, não temos a ousadia de empreender.

Muitos dizem que Santos=Dumont fez mais do que entregar o lindo sonho do voo à humanidade, a julgar pelo elegante desenho de seus inventos, ele se metia dentro da solução simples e elegante, proporcionada pelo cesto de vime e se vestia seus inventos voadores – pode-se dizer sem receios que Santos=Dumont inventava ‘trajes de voar’.

A criatividade e a mente inovadora, que permite homens alem de seu tempo, a ignorarem a gravidade e alçarem voo, real ou metafórico, para além dos limites impostos das pseudo-barreiras, é um dom, e por isso o INSTITUTO ALBERTO SANTOS=DUMONT reconhece e premia o HOMEM QUE VOA.

O que a comunidade Japonesa pensa sobre Santos=Dumont


A comunidade japonesa é conclusiva em favor de Santos=Dumont x os irmãos Wright, na disputa ‘quem deu asas à humanidade’
No ultimo dia 11 de fevereiro, o chamado experimento LIGO provou que as ondas gravitacionais existem e abriu uma nova era dos estudos da astrofísica, certo?

- Errado, dois irmãos de Dayton, no Estado de Ohio nos Estados Unidos, tornaram-se os primeiros a provar a existência de tais ondas, três anos atrás.


- Mas eles têm testemunhas?

- Sim, algumas pessoas que estavam perto viram o feito.

Hoje uma afirmação como estas seria considerada ridícula, sem propósito e com falta total de critérios - um absurdo, mas foi exatamente o que aconteceu com Santos-Dumont.

Na manhã de 12 de novembro de 1906 o mundo estava em êxtase, pela primeira vez, o homem havia sido capaz de alcançar o sonho máximo, voou com uma máquina auto-propelida, mais pesada do que o ar, na presença da comunidade científica, de jornalistas de vários países do mundo e outras muitas centenas de pessoas.

Alguns dias mais tarde, a mídia americana levianamente desmentiu, dizendo que os irmãos de Dayton, OH já tinham voado três anos antes que o Sr. Dumont, na presença de 4 ou 5 passantes.

Santos-Dumont dedicou grande parte de sua vida para o vôo, estudou minuciosamente os pássaros e as dinâmicas de vôo, voou em muitas cestas de balões, dirigíveis projetados por ele em 15 anos de pesquisa, criou 14 invenções precursoras até que pudesse efetivamente voar naquele dia.

Mas para o bem da história, a comunidade japonesa é muito cuidadosa e dedicado a afirmações criteriosas e é do Japão que vem o resgate da verdade.

Na sua última edição, a revista AGORA, dirigida para os altos executivos distribuídas aos passageiros da JAL por meio de uma taxa anual particularmente elevada, traz um extenso artigo que descreve a surpreendente verdade sobre a vida de Santos=Dumont, e sobre as distorções históricas que levaram os irmãos Wright para a glória indevida, e por terem jogado Santos=Dumont ao esquecimento.

Mas agora, as coisas começam a mudar, o artigo não deixa dúvidas:

"... o que de fato tornou Santos=Dumont ainda mais conhecido no mundo, foram suas apresentações no ano de 1906 no Bois de Boulogne, com um esquisito aeroplano motorizado em forma de pipa, com o nome de (Bis). Ele voou 60 metros. (o vôo de Santos=Dumont foi feito na frente de milhares de testemunhas, inclusive cientistas e repórteres jornalísticos; já o vôo de 1903, dos irmãos Whright foi presenciado por apenas cinco pessoas do povo).

Santos=Dumont Club - historia do homem que deu asas a humanidade - Santos=Dumont

Com isso, Santos=Dumont passa a ser muito querido por ser o primeiro homem a realizar o maior sonho da humanidade,

‘Não, Quem primeiro voou pelos céus com uma precária maquina foram os irmãos Wright, quanto a isso ninguém teria o bom senso de questionar’ – É esse suposto “fato histórico”, que erroneamente permanece na cabeça das pessoas do século XXI ao redor do mundo. Más o “bom senso” confirma que o primeiro a ter vencido os céus, foi o brasileiro radicado em Paris, Alberto Santos=Dumont.

Se a 100 anos atrás, ou mais, você perguntasse em qualquer lugar do mundo, até mesmo nas esquinas de Ginza em Toquio “Você sabe quem é Santos=Dumont?”, as pessoas provavelmente responderiam que sim. Hoje talvez, algumas pessoas possam se lembrar dele por lembrarem-se da famosa série ‘Cartier Santos watch’ (de fato, o relógio foi originalmente concebido para permitir que Santos=Dumont manobrasse seu dirigível, e presenteado por seu estimado amigo, Louis Cartier).

Fica-se com uma má sensação de que Santos=Dumont é mais uma das crianças que ficaram para trás, na escuridão da história.

Mais revistas japonesas sobre Santos=Dumont

Abaixo o artigo original, em japonês

彼の名をさらに世界に知ら しめたのは〇六年一〇月二二日、 ブーローニュの森で箱型凧のよう な奇妙な形の動力付飛行機『 bis』でやってのけた約六〇メ ートルの飛行だった。

この時、世界はまだライト兄弟のライト・フライヤー号による〇三年の飛行成 功を知らない(サントス デュモ ンの飛行が科学者や新聞記者を含 む何千人という証人の前で成され た一方、ライト兄弟のそれを見た のはわずか五人の一般人だった)。

 為に、サントス デュモンは人類 の夢を叶えた男として大いにもて はやされ、時代の寵児となる。

行機で空を飛んだのはア メリカのライト兄弟である──こ れは誰も異論を差し挟むことのな い常識だろう。けれども、二〇世 紀初頭のある時期、世界の大方の 人々が信じていたのは別の「歴史 的事実」だった。当時の「常識」に よれば、最初に空を制したのはパ リに住むブラジル人、アルベルト・ サントス デュモンである。

  その頃から一〇〇余年を経た今 日、例えば東京・銀座の街角で一 〇〇〇人に「サントス デュモン を知っていますか?」と訊いて、 いったい何人がイエスと答えるだ ろう? もしかしたら、数人の時 計好きがカルティエのサントス・ ウォッチのことを思い出すかもし れない(その腕時計は、元々ルイ・ カルティエが畏友サントス デュ モンのために、飛行船操縦の時に 便利なようにと考案したものだっ た)。
こと ほ ど さ よ う に サ ン ト スデュモンの名は歴史の暗がりの 中に置き去りにされてしまった感 がある。

Os japoneses sempre deram o devido valor à história e as realizações de Santos-Dumont. Em 1976 existia um clube dedicado exclusivamente ao pioneiro da aviação sua memória nobre.

Santos=Dumont Club - Japan 1976

Dirigido pelo mestre Morita, esse clube era conhecido por fomentar o intercâmbio de informações entre a Fundação Santos-Dumont, na figura de seu então vice-presidente, Fernando E. Lee.

Em 2004, ao pesquisarem a real história da descoberta do vôo humano, duas revistas publicaram matérias sobre a vida de Santos=Dumont, a Seven Seas, revista dedicada aos consumidores de luxo e membros do Clube Seven Seas, que traz 45 paginas, com maravilhosas fotos, mostrando lugares freqüentados por Santos=Dumont no Brasil e no mundo e uma edição especial do 世界の腕時計. (Mundo dos relógios), ambas tratam de como Santos=Dumont, um gênio criativo, homem elegante que faz pesquisas criteriosas chega a invenção do mais pesado-que-o-ar num processo inventivo criterioso, mas que cai no esquecimento do publico dos dias de hoje, a seguir transcrevo o texto da Mundo dos relógios.

"... Aos 22 outubro de 1906, uma máquina de vôo de forma bizarra, como parecida com uma pipa-caixa decolou nos jardins do Bois de Boulogne, em Paris, e voou 60m.

Foi um enorme sucesso na Europa, quando o primeiro vôo motorizado ocorreu. Projetada e manobrada por Santos-Dumont, a máquina voadora de bambu tinha uma envergadura de 12m, 10m de comprimento total, e era coberto com seda japonesa, uma aeronave estilo ‘canard’ chamada 14-bis (bis significa "de novo", porque foi a 14º tentativa de construir uma máquina voadora, totalmente projetada e testada por ele).

Três semanas depois, ele voou 100m com a mesma aeronave, e ganhou o prêmio Archdeacon, a ser dado para "o primeiro que pilotar uma aeronave mais pesada que o ar, por mais de 100m".

Mas então, os irmãos Wright chegaram anunciando que eles já tinham voado, no dia 17 de dezembro de 1903 nos Estados Unidos, num vôo bem sucedido de 12 segundos com o leve 'Flyer1', na presença de observadores. E assim, Santos-Dumont perdia a honra de ser o primeiro do mundo a voar).
Equipe de Masako Hori e o Professor Ricardo Magalhães, fazendo suas pesquisas no museu S=D, em Petrópolis 

Santos-Dumont emigrou para Paris em 1891, ele era um homem de pequena estatura, que vestia-se de forma muito elegante e que dividia seu tempo em corridas de automóveis e jantares em restaurantes de primeira classe, ele sempre demonstrou grande interesse em voar pelos céus. No ano de 1898, ele flutuou no espaço vazio, com o seu primeiro, pequeno balão, desenhado por ele. Após esta primeira invenção, ele concebeu mais 14 máquinas voadoras, 10 delas foram dirigíveis, com o dirigível nº 6, ele foi o primeiro homem a manobrar um dirigível, em uma rota pré-determinada em torno da Torre Eiffel, em tempo limitado e com isso, ganhou o Prêmio Deutsch. Depois disso, ele criou mais 4 aviões, até alcançar o sucesso em voar com o 14-Bis. Em 1907 ele atinge seu auge com a invenção do seu último avião, com um comprimento total de 8m, o "Demoiselle", foi elegante e delicada."

世界 の 腕時計. (O mundo dos religious) sobre a série Cartier Santos Watches 

1906 10 月 22 日、 パリ · ブローニュ の 森で箱凧のような 奇怪 な 形の飛行機械が飛び立ち 、 60mを飛行した 。

ヨーロッパ 初の動力飛行の成功だった。 操縦するの は設計者でもあるサ・ントス - デュモン 、 飛行機械は竹と日本製 シルクで作られた 翼幅 12m 、 全長 10 m 、 先尾翼機14- ビス ( ビスとは "再び の 意で, 彼 は テスト機 14号篠を設計 し ていた)。 それから 3 週間後 、 彼 は 同じ機体で100 m を飛行 し 、「初めて重航空機で100m を飛行した者」 に与え られた アルクデアコン賞 を受賞した。 しかし 1903 年12月17日に アメ リカで ライト兄弟が ライトフライヤ 1で12秒の 飛行に成功したことが後 に認められ 、 世界初の栄誉 は 逃してしまう。

1891年、パリに移住したサントス-デュモンは 小粋な身なりをした社交界の新参者であった。 自動車 レースに出たり 、 一流レストランで食事を したりと遊んではいたが 、 彼 のいちばんの興味は空を飛ぶこと。 1898 年には自ら設計した 小型気球 「 ブラジル号 」 でパリの 空を漂った。その後、 14- ビスまでに 10機の飛行船を設計したが 、 なかでも6号機は制限時間内にエッフェル 塔を周回し 、 ドゥーチ 賞を 獲得した 。 14-ビス後、 4機の飛行機を設計した、 いずれも失敗に終わってしまう。 そして 1907年 、最後に設計した全長 8m の華奢で優美な姿の 「 ドゥモアゼル 」 が 飛び上がった。

'Mistérios não resolvidos' e 'Reescrevendo a História'

A comunidade japonesa sempre teve grande expressividade na Aviação Brasileira, o Brasil tem a maior comunidade de Japoneses fora do Japão – na foto Ricardo Magalhães, VP do Instituto A. Santos Dumont, Luiz Pagano blogger de Santos=Dumont e o primeiro oficial-general de descendência japonesa e que chegou ao mais alto posto da instituição, o Tenente-Brigadeiro-do-Ar Masao Kawanami – jardim japonês e placa da homenagem da comunidade Nipo-Brasileira no Hospital de Núcleo da Força Aérea em São Paulo.
Por que a opinião pública em todo o mundo decide adotar os irmãos 'e a abandonar Santos-Dumont?

Para responder a esta pergunta, eu convido o leitor a fazer uma investigação mais aprofundada. No entanto, atrevo-me a dizer que o início do século foi uma época de grandes descobertas, a supremacia dos países era avaliada pela forma como eles apresentaram suas invenções em feiras mundiais. Os Estados Unidos da América foram os inventores do marketing e sempre dominaram a propaganda estatal - Por que então um homem pertencente a um país inexpressivo, de uma colônia recentemente libertada de Portugal, teria direito a primazia do vôo?

Publicações mencionadas nessa matéria

Revista Agora – 27 de Fevereiro de 2016 (edição de Março/16)
Publishing House - JAPAN AIRLINES CO. LTD
40-8637 Shinagawa-ku, Tokyo Higashi 2-4-11
Reportágem de 堀 雅子 (Masako Hori)
Escritor-jornalista Yasuyuki Ukieta,
Fotógrafo Taisuke Yoshida

日本 サントス · ドゥモン クラブ -1976
Santos Dumont Club Japan
Dirigida por Mestre Morita, no Japão
Parceiro técnico no Brasil Fernando E. Lee - VP em exercício da Fundação Santos Dumont

Revista 世界の腕時計 (O Mundo dos Relógios) - 20 de agosto de 2004
número 70
Editorial & Corporate Headquarter 3-39-2 Nakano, Nakano-ku, Tokyo 164-8551 Japan
Publisher: KESAHARO IMAI
Editor in Chief TOMOKO KAYAMA

Revista Seven Seas (セブン シーズ) - 7 de Julho de 2004
número 191
Meios de luxo internacional e Club Seven Seas
Publisher: International Luxury Media
Copyright(c) 2002-2016 Fujisan Magazine Service Co., Ltd. 

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Arte plumária Indígena no Brasil

Arte plumária Indígena no Brasil
Uma das expressões plásticas mais tradicionais e autenticas e impactantes das culturas nativas do Brasil. A definição usual de arte plumária diz respeito aos objetos confeccionados com penas e plumas de aves, muitas vezes associadas a outros materiais.

É uma prática que tem grande antiguidade, há pinturas rupestres dos século X, que foram primeiramente relatadas por Candido Rondom, encontradas ao longo do rio Erepecuru próximo as cachoeiras de Armazem, Zoada e Resplendor, onde pode se ver etnias antigas usando adornos plumários.
 
Pinturas rupestres dos século X, que foram primeiramente relatadas por Candido Rondom, encontradas ao longo do rio Erepecuru próximo as cachoeiras de Armazem, Zoada e Resplendor, onde pode se ver etnias antigas usando adornos plumários.
Muitas tradições indígenas utilizam a arte plumária, que se multiplica em originalidade e unicidade pelo numero de etnias e tribos espalhadas por todo território brasileiro.

Embora cada grupo apresente uma técnica e estilo específico a tribo dos Urubus-Kaapor é uma das mais evoluídas na arte de confecção de adornos plumários.

Coifa vegetal Kayapó-Mekranoti (Lori-lori), Diadema Kayapó, Capacete Palikúr e Brincos da etnia Waurá

Nas palavras de Darcy Ribeiro e Bertha Ribeiro,

"É na plumária que encontramos a atividade mais eminentemente artística dos nossos índios, aquela em que revelam os mais elaborados impulsos estéticos e mais vigorosas características de criação própria e singular. E é natural que assim seja, porque a plumagem dos pássaros, com sua variedade de formas e riqueza de colorido, constitui o material mais precioso e mais acabado, por assim dizer, que a natureza oferece aos índios para se exprimirem artisticamente. o seu maior interesse estético, por outro lado, está voltado para o embelezamento do próprio corpo. Da combinação daqueles recursos e desta tendência, resultaria a elaboração de uma técnica requintada que, associando penas e plumas a diversos outros materiais, permitiria criar obras de arte capazes de competir em beleza com os mesmos pássaros".

De acordo com a legislação brasileira os indígenas têm o direito de caçar a fauna silvestre com fins exclusivos de alimentação e confecção de objetos cerimoniais, mas peças com produtos ou subprodutos da fauna silvestre, categoria onde entram os objetos plumários, não podem ser comercializadas. A proibição está em vigor desde 1998, e só abre exceções para a pesquisa acadêmica e a preservação em museus. Não obstante, o comércio já atinge grandes proporções e o controle é difícil.Ao mesmo tempo, a combinação de restrições e propaganda governamental causa uma situação de paradoxo. Na apresentação do livro Povos Indígenas no Brasil 2001/2005, os autores disseram:

"Vale destacar a imagem do cocar Kayapó que aparece na lombada deste volume, confeccionado com a técnica de praxe, porém com canudinhos de plástico no lugar das tradicionais penas de arara, papagaio e mutum. Proibidos de comercializar artesanato com matérias-primas oriundas de animais silvestres, essa recente e criativa solução Kayapó simboliza a contradição de um país campeão mundial do desmatamento e bem colocado no topo da lista do tráfico e da extinção de aves, cuja diplomacia costuma exibir no exterior a arte plumária indígena como símbolo primeiro da identidade nacional".

Técnicas de confecção

Na produção, geralmente as penas são amarradas umas às outras e muitas delas são associados a outros materiais, tal qual fibras vegetais, madeiras, couro de animais, folhas, taquaras. No tocante à cor, a arte plumária designa uma arte muito colorida, donde várias tribos do Brasil, além de utilizarem as penas nas cores do próprio pássaro, utilizam técnicas de tingimento, conhecida como “tapiragem”, ou seja, a transformação da cor da pena, com o intuito de se aproximar da coloração amarelo-alaranjado.

As muitas formação de amarração - o Molho de penas, amarração de pena com nó simples e a trama de plumas feita pelos talentosíssimos índios Urubus-Ka'apor
De tal modo, eles utilizam essa arte repleta de cores e matizes, sejam com funções socioculturais, baseadas nos momentos ritualísticos e cerimoniais, de forma a indicar a hierarquia social, gênero, idade; ou simplesmente como objetos utilitários (cestos, armas, instrumentos) e de adorno corporal (máscaras, cocares, mantos, colares, coroas, pulseiras, braceletes, brincos, etc.).

A fieira de penas em cordéis horizontais é uma das principais técnicas de amarração de penas. Acima vemos na técnica A, a ponta extrema da pena é encaixada num pequeno talhe em sua própria base; na técnica B, a armação simples, feita com a pena dobrada e amarrada.
Para melhor descrevemos as peças e quais penas são usadas, é importante conhecermos os diferentes formatos de penas que constituem a asa das aves.

Diferentes tipos de penas podem ser encontradas nas asas das aves, aumentando a complexidade dos arranjos. da esquerda para a direita vemos as rémiges primarias, rémiges secundarias, rémiges escapulares, falsas rémiges, tectrizes e bastardas.


Pariko Bororo

Nesses trezentos anos de contato, os Bororo, por serem um dos povos indígenas vivos mais pesquisados,

Percebe-se então, nesse universo social, que há dezenas de formas diferentes de manufaturar um Pariko, e neste comentário abordaremos um Pariko genérico sem associá-lo as metades, clãs ou sub-clãs. Seguindo novamente as descrições de Dorta (1982).

Um Pariko pode ser dividido em quatro camadas vistas a seguir

 1- A primeira camada é composta de penas retrizes de araras –- podendo também ser inserida retriz de outras aves –- dispostas em semicirculo decrescente e com as pontas aparadas, onde recebem colagem de plumas brancas de pato selvagem. Dizem os Bororo que essa distribuição da armação decrescente das retrizes acompanha a distribuição natural como se encontram nas aves utilizadas. Alguns Parikos não tem as pontas cortadas e nem recebem a emplumação.

2 - A segunda camada é composta de penas de diversas aves, podendo ser retrizes ou tectrizes aparadas nas pontas e combinadas com outros elementos decorativos como lascas de taquara revestidas de plumas ou de acúleos de ouriço, estiletes de madeira ou nervuras de buriti.

 3- A terceira camada é formada de penas aparadas na sua parte terminal e recobre os cálamos das outras duas camadas. Alguns Parikos dispensam esta camada.

 4- A última parte a qual denominaremos de suporte-base é flexível e tem a forma de um arco e é confeccionado com nervuras de babaçu e revestidas com tiras de folíolo de babaçu.

5- Os cordéis-atilho são manufaturados de seda de tucum e resinados para maior durabilidade.

Como já foi dito, através de um Pariko, pode-se identificar o sub-clã, o clã e a metade do seu usuário. Na sociedade Bororo, essas divisões apropriam de seres espirituais, da fauna, da flora, de objetos minerais, dos mitos, dos pontos geográficos, de corpos celestes e chegando até as minúcias do universo existente.
Baseando nas pesquisas realizadas por Dorta, será feita uma síntese de algumas situações:

            A construção de um Pariko obedece à forma da flora e fauna aquática, tendo no peixe pacu um dos modelos, ou como das folhas-do-brejo e de outras folhas aquáticas. Essa circunstância é identificadora, apesar de não ser a principal.

            Das três camadas, a pesquisadora salienta que é a segunda camada, por possuir um maior numero de matéria-prima, que os códigos identificatórios têm mais realce.

            Também são significativas para a identificação de um Pariko, as cores das penas, suas distribuições e combinações com outros de seus elementos.

Outro caráter identificador é a colação das plumas no ápice das tectrizes,devendo observar sua distribuição no seu perímetro.
Este é um resumo desse magnífico adorno, que dá ao seu possuidor, status de grandeza, poder e beleza.

Arte plumária Karajá

Para compreender a plumária Karajá é preciso entender a organização do de sua cosmologia. Existem três mundos miticos:

O Mundo das Águas, local de origem dos Karajá, onde está a aldeia dos
 Berahatxi Mahãdu povo do fundo das águas peixes (peixe cuiú-cuiú, pirarucu);

O Mundo da Superfície, que é habitado pelos Karajá(podem ser tanto animais da floresta - veado, onça, raposa); e,

O Mundo do Céu, que é o nível celeste alcançado somente pelos xamãs (hari) durante as viagens espirituais e depois da morte. o plano celeste é governado por Xiburè, é habitado pelos Biuludu (habitantes do Céu) e dentre estes há os Ijasò do céu..

Para os Karajá não há uma distribuição dos animais nos planos cosmológicos como nós pensaríamos, os pássaros não estão sempre ligados ao Mundo do Céu ou os peixes ao Mundo das Águas.

O Urubu-Rei. Portando, não há entre os Karajá uma relação funcional ou utilitarista de classificação do mundo, como já alertou Lévi-
Strauss (2010) ao falar do “pensamento selvagem”. Trata
-se de uma relação complexa entre os níveis cosmológicos que são mediados  pelos xamãs a fim de manter o equilíbrio do cosmo. 

A maior parte dos adornos de plumária é usada pelos mais jovens, a medida que a pessoa envelhece menos ela os usa. Ao mesmo tempo esses adornos estão, quase que em sua totalidade, relacionados aos rituais; estão presentes: na “dança dos Aruanã”.

 
Exemplos da arte plumária Karajá
O Leque de occipício A. conta a historia do heroi mitico Kanakiwe, que pressionou o Urubu Rei (representado pela harpia), a presentear sua tribo com tal representação do disco solar.

Feito com penas rêmiges de harpia (Harpya harpya); da garça branca (Casmerodius albus); penas de voo de arara Canindé (Ara ararauna); retriz de japu (Psarocolius decumanus); coberteiras de asa, provavelmente de arara-canga.

A estrutura e montada em estilete de estipe de palmeira de babaçu, penas são coladas com cera de abelha e amarradas a um suporte grosso de cordel de fios de algodão.
Os Brincos B são de uso masculino, principalmente em cerimônias, feitos com coberteiras inferiores da asa e plumas dorsais da arara-canga (ara macao) e da arara-vermelha (Ara chloroptera), o suporte é de pecíolo de tucum.
O leque de occipício C é feito com penas do de japu (Psarocolius decumanus) e da arara canga.


A coroa vertical D, usada por mulheres é adornada com plumas de da arara-canga (ara macao) e da arara-vermelha (Ara chloroptera).